28 de julho de 2013 § Deixe um comentário

numa página aleatória
as vírgulas corriam soltas
as palavras escorriam tortas
os versos compunham História
numa esquina escura
na cidade de Vitória
os lábios se tocavam rubros
e a pinta na saboneteira.
dois pares de olhos
e vozes frias e doces
– qual é mesmo o seu nome?
numa esquina escura
sem escapatória
os dedos se escapavam, tímidos
– Adriana
e ao som do mar puro e à luz do céu
(escuro)
a noite foi recitando os versinhos de Quintana

Anúncios

sei que quase desespero, mas não sei porquê

23 de agosto de 2012 § 2 Comentários

lábios secos

como terras sedentas

viam nas lágrimas

(torrenciais)

o anúncio da vida

(essencial),

como o chão rasgado,

morto e quente,

via na chuva

violenta e breve

o recomeço brando,

molhado e branco

tão sutil e mudo

quanto um beijo

(de adeus)

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com poeminha infeliz em o segundo sol.